Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gira Discos

Um blog sobre discos, daqueles que tocam, em vinil.

Gira Discos

Um blog sobre discos, daqueles que tocam, em vinil.

"The Other Side of the Mirror" Stevie Nicks, 1989

Os Fleetwood Mac eram um sucesso já firmado desde a década de 60 do século passado e a partir de 1975 e muito desse sucesso era devido a Stevie Nicks que nesse ano se tornara vocalista da banda.

 

Mas Stevie Nicks tinha todo o potencial para uma carreira a solo e em 1981 lança o seu primeiro álbum, Bella Donna alcançando imediato sucesso nas tabelas de vendas. Dois anos mais tarde, em 1983, The Wild Heart, o seu segundo álbum a solo, alcança de imediato a dupla platina chegando ao 5º lugar na Billboard 200.Uma vez mais, dois anos depois, lança Rock a Little e, uma vez mais, é um sucesso comercial.

 

A carreira a solo de Stevie Nicks estava em ascensão e em 1989 lança o seu quarto álbum, The Other Side of the Mirror. Com ele a cantora parece mostrar-nos um lado de si a que não tínhamos tido acesso até então, um lado introspetivo, de uma surrealidade consciente.

 

The Other Side Of The Mirror Stevie Nicks no Gira Discos

 

The Other Side of the Mirror, Alice quem?

 

The Other Side of the Mirror é um disco que deve ser interpretado, diz em determinada altura a própria Stevie Nicks, à luz da vida de cada pessoa que o ouve, e não como sendo a história de uma Stevie “Alice” Nicks, que um dia cai num buraco. E talvez seja essa a razão pela qual gosto tanto deste disco.

 

Tal como em Rayuela de Julio Cortazar, o livro que “é muitos livros”, onde cada um de nós pode criar uma leitura específica, também com The Other Side of the Mirror isso funciona e cada um de nós pode ouvir uma história específica, a sua história, assim como a história do outro. Haja vontade.


Na minha opinião é bastante claro que Stevie Nicks é aqui Alice, uma Alice que na queda perdeu camadas de cuidado, mais afastada das estrelas mas consciente de que elas existem e procurando por elas em busca de alguma orientação. Fico a pensar nisso em "Ghosts" quando a cantora se refere à ideia de pensarmos que alguém nos segue, sabendo que estamos errados, que a impressão por cima do ombro é o fantasma de quem gostaríamos de ser e o fantasma do passado em que vivemos…


De igual modo, a Alice em The Other Side of the Mirror parece ter plena consciência do mundo virado ao contrário em que vive e das necessidades que tem. Em "Whole Lotta Trouble", numa das várias conversas com anjos que o disco nos dá a conhecer ouvimos:


And the angel said, "Well you must have had a dream"
And you remember it till the dream followed through
Till the end of the dream and the dream came true
When I want something, I get it


The Other Side of the Mirror leva-nos pela viagem de Alice, que pode ser a viagem de tantos quantos, entre altos e baixos, vivem na completa aceitação de que o seu mundo existe enquanto parte do mundo dos outros e que, ainda que por vezes sendo esses mundos antagónicos, essa é uma relação simbiótica.

 

 

Tudo isto é confuso? Tudo isto é estranho, quase de loucos? Sim, é o que nos espera do outro lado do espelho.

 

Este disco de vinil é uma edição original de 1989.

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D